cidadED

cidadED

E pra mim, dinheiro é perfeitamente comparável aos buracos negros: sugam e devastam tudo que esta a sua volta. Não é a toa que até hoje, ainda se destroem as condições de existência humana no planeta em nome do lucro. Texto foda!


O kit-kitsch

O kit-kitsch

Pra comemorar 1 ano que não posto aquiii \o/

Pra comemorar 1 ano que não posto aquiii \o/

BEIJO GAY!

Depois ler excelentes textos do blog sindromemm, mais específico o deste link , que discute a polêmica clichê do beijo gay na televisão, me lembrei do primeiro beijo “gay” que vi na vida…

O filme era “O Orfeu” de 1999 e lembro de tê-lo assistido na globo, e o beijo nem era tão gay assim, porque não representava exatamente uma demonstração de afeto e sim uma artimanha do mocinho pra matar o “vilão”.

Devo ter assistido o filme com uns 13 anos e lembro que automaticamente depois de ter visto esta cena um certo desconforto, de fato, eu senti: como assim, um homem beijando outro?!

Aquilo era tudo muito novo, aquela imagem eu ainda não tinha visto. Não sei nem precisar se o conceito de gay e homossexualismo existia tão claramente como existe hoje. Era um assunto muito obscuro.

Na hora eu continuei assistindo o filme e matutando naquilo e de repente a áurea da obra de arte começou a ser revelada e fiquei pensando em como os atores tomavam decisões difíceis em interpretar um papel, em como as ações do personagens podiam repercutir em suas vidas, porque achei que depois daquela cena, nenhuma mulher quisesse casar/namorar com os caras (típico raciocínio infantil de época que hoje a gente se envergonha KKKKK tipo o cabelo colorido da adoslescência).

O filme ainda me proporcionou outra experiência; a mãe de Orfeu, tomada por um ódio visceral ao descobrir que o filho enloqueceu - literalmente - de amores pela mocinha, profere os seguintes dizeres: Deus de merda!!! Pra mim que fazia catequese na época aquela foi uma cena muito iconoclasta rsrsrs

Diante disso tudo, e pra não se prolongar muito nesse assunto que eu considero bobo eu vou ser breve:

A globo e essas outras emissoras mercantis, e não a televisão brasileira, estão LOOOOONGE, mas muito longe de querer oferecer educação e alguma experiência estética à população. Por isso, acho uma idiotice completa a comunidade gay e etc em ficar discutindo a questão do beijo gay na telinha. Este símbolo que eles tanto querem, pra mim já aconteceu ha muito tempo na televisão, no programa Fica comigo da Fernanda Lima na mtv, o resto é discussão idiota e perda de tempo. E nem vamos falar deste cenário no cinema, que Bergmans e Godards choram sangue quando ouvem comparar o campo de seus ofícios com a televisão.

Mas pra este texto não soar contraditório, do tipo, “você diz que a discussão a cerca deste beijo é idiota, mas este texto a esta discutindo haha”, eu digo que depois de ler o texto do blog citado só gostaria de corrobar, que a mim, parece que aqueles que tanto reivindicam seus direitos e aceitação e cobram dos outros esta postura, não percebem que são eles mesmo balaustres de um raciocínio que lhes excluí. Pra ser mais claro: eu percebo que em grande parte, são os próprios gays que sustentam preconceitos homofóbicos ao acharem que PRECISAM se afirmar como gays. Neste afirmar, que não julgo ser intrínseco a assumir a orientação sexual - que por sua vez é uma escolha individual de cada um seja hétero, homo, bi, etc - acabam adotando artificialmente o esteriótipo que lhes condena.

É isso!

link do filme